domingo, março 06, 2011

Pequena carta a minha irmã I

Desde que nascemos, eu sempre soube que este dia chegaria, minha pequena. O dia que profetizamos em nossas vidas ainda crianças, quando diziamos a temida frase "Quando eu crescer...". Nós queriamos fazer faculdade juntas, eu queria que meus pais comprassem uma casa ao lado da sua. Nós comprariamos um apartamento e moráriamos juntas, como irmãs. Parece que não foi o que o mundo quis, não é mesmo?
Sinto que te perdi. Quando te visito, me sinto uma estranha na casa onde cresci. Não vejo mais a pureza em teus olhos, vejo o vazio. Teu sorriso está tão opaco. Queria fazer o tempo voltar pra nós duas.
O que me resta é a esperança; pois sem esta, não estaria a escrever sobre a falta que aquelas maravilhosas tardes outanais que gastavamos brincando de boneca. E nesta esperança, espero. Espero que se encontre em seus caminhos, espero entrar em sua casa e saber que pertenço a ela, espero ver o sorriso brilhar novamente em seu rosto. Espero ver teu vazio completo.
Amanda Souza

(Eu sinto sua falta, prima. Eu sinto muito a sua falta.)