quarta-feira, agosto 18, 2010

Senti-la

Eu sinto uma alegria, que começa em meus lábios e se espalha por todo o meu corpo. Essa alegria, que vem do céu, é tão grande, tão imensa, que preciso partilha-la com alguém. Não posso controlá-la em mim, ela precisa sair e irradiar o mundo.
Pode senti-la? Enquanto lê estas linhas, pode sentir seu corpo estremecer? Pode sentir cada vértebra do que você chama de "você" querendo pular, saltar metros e metros acima do solo? Pode senti-la?
Querer ver o sol em seu primeiro raiar como se fosse a primeira vez que ele brilhasse no céu? Rir sozinho ao ver um bebê sorrir. É algo tão  grandioso que desejo tanto partilhar, que se torna um desespero.
Pode sentir? Pode sentir essa alegria que consome como fogo todos os sentimentos ruins e maléficos? Essa felicidade eufórica que faz o coração pular no peito, como se quisesse sair e quicar mundo a fora?
Essa felicidade arrebatadora que precisa com urgência ser transmitida ao próximo, para que todos partilhem dessa felicidade que não é momentânea. É tanta felicidade que chego até a ficar cansada de carregá-la comigo.
É uma felicidade forte, quente, alta, extrema, suprema, urgente, arrebatadora! Pode senti-la?
Amanda Souza

domingo, agosto 01, 2010

Obrigado por existir

Meu estado mutável. Uma hora quente, outrora frio. Morno jamais. Meu temperamento irregular. Uma hora alegre, capaz de irradiar um quarteirão com um sorriso. Outrora triste, infeliz, tal qual um verme. Eu e minhas contradições, minhas mudanças e renovações.
E nesses pensamentos de sobe e desce, onde nada é cem por cento certo, só de uma coisa agradeço: obrigado por existir.
Por ser o único amigo no qual posso confiar, por ser o único que realmente se importa comigo, por ser o único a aguentar meu temperamento difícil, minha sinceridade perturbadora, minha necessidade de liberdade, meus medo, angustias e minha dor.
Obrigado por respirar todos os dias, pois acredite: saber que você respira é o que me faz querer partilhar deste ar. Obrigado por me compreender, não completamente (duvido que alguém consiga), mas por se esforçar e nunca cessar. Obrigado por não desistir de mim quando eu mesma já havia me abandonado.
Obrigado por não se esquecer de mim quando eu já não lembrava que existia. Obrigado por ser presente em minha ausência. Obrigado por estar ao meu lado.
Obrigado por me transmitir felicidade , por ser inspiração da minha poesia, por ser um anjo da guarda, por ser meu guia no escuro.
Obrigado por partilhar estes anos de felicidade comigo, obrigado por não sorrir para esconder lágrimas, por ter coragem de mostrá-las. Obrigado por me ressuscitar através do doce toque dos seus lábios.
Obrigado por ser você.

Amanda Souza