domingo, janeiro 31, 2010

Paraíso na Terra

Já ouvi dizer que os anjos nos ajudam nos momentos mais difíceis. Já ouvi dizer que depois das chuvas torrenciais, sempre existe um arco-íris no céu.
Nunca soube que anjos desciam do céu. Nunca soube que o amor podia mudar as pessoas. Nunca soube que eu poderia ser uma princesa de contos de fadas. Até você aparecer.
É como se minha vida tivesse sido um inverno europeu, como se o sol tivesse decidido brilhar em outras redondezas. Já estive tão acostumada com este frio que já nem me lembrava como era bom o calor do sol acariciar minha pele gélida e apática. Até você me invadir como um verão indiano, com o calor mais abrasador que jamais senti.
Evitar amar-te é evitar a minha própria vida. Para tentar esquecer-me de ti tenho que esquecer-me de mim mesma: destes lábios carentes de afeto que beijou, das carícias máculas e ingênuas que estas mãos lhe fez, do corpo que esteve tão perto do teu como se fosse um, e sobre todas as coisas, do coração que é sempre foi seu. E não importa a onde quer que eu vá, a onde quer que eu esteja, se estiver ou não com você, eu sempre serei sua. Uma vez marcada por seus lábios angelicais, para sempre estarei. Existem sentimentos dos quais eu não posso fugir, coisas que posso esconder do mundo mas não de você.
Pois cada vez que eu te encontro é como uma luz no fim do túnel, cada vez que eu te beijo é como um frenesi. Eu não tenho como parar.
E se a vida me fizer escolher, a escolha sempre será a que me levar para mais perto de você. Sempre soube que podia amar alguém de todo meu coração. Mas me enganei. Descobri que posso te amar com toda minha alma.
Achei também que os anjos habitavam o céu. Hoje sei que Deus os manda para terra para serem assim como você. Só Deus sabe o como vaguei por essas ruas escuras, o quanto tentei em outros braços seu afago, em outros lábios seu mesmo toque apaixonado. Caminhos que podiam ter me levado para o abismo.
Mas lá estava você, com sua alma resplandecente, com seu semblante iluminado, com toda tua graça, como um anjo do céu.
Posso fechar os olhos para a verdade mais incontestável de minha vida, mas não posso me impedir de senti-la: amar-te é minha maior aventura. Desejar-te, minha sina. E tê-lo, não é somente um sonho. É um fato. É como um paraíso na terra.

Amanda Souza

(É... Todas as ruas me levam de volta ao ponto de início. Por mais q eu corra, você é meu destino. Mais que isso... Ah, você sabe disso, e eu sei que vai ler... Eu te amo... E vocês, meus curiosos leitores, ávidos para saber ed quem se trata... Vão ficar na curiosidade por enquanto! Beijos!)

quarta-feira, janeiro 27, 2010

Máscaras


Só mais um rosto na multidão, só um entre um milhão. Sua beleza é somente uma máscara, e apesar dela ser estonteante, diga-me amado: O que existe por trás dela?
Deixe-me ver suas cicatrizes, deixe-me ver sua verdadeira face. Não escondas de mim o que mais desejo.
Quero a alma por trás da máscara, quero o corpo por trás da armadura, quero o amor por trás de todo este ódio, os lábios doces por trás das palavras amargas.
Quero ver o que você realmente é, já cansei de seus disfarces. Cansei de ver rostos, agora quero ver as almas que nos corpos habitam. Cansei de ver sentimentos falsos, quero ver o coração lar destes sentimentos.
Quero ver a coisa horrenda em que se tornou, quero tentar curá-la. Quero fechar a ferida em seu coração, quero fazer você se sentir amado. Quero atirar suas máscaras e suas mil faces ao fogo e deixar somente seu rosto marcado pela vida de mentiras que tem vivido.
Chega de fingir, chega de meias verdades, chega de tê-lo pela metade. Eu te quero por inteiro, não por partes. Meu amor por você nunca foi mascarado.
E neste baile de máscaras, todos dançam a valsa de mentiras e o compositor é você. A falsidade é aplaudida, as traições são inevitáveis, e todos aplaudem o grande maestro.
Apontado entre todos lá está você no meio da multidão. Até que percebe o que eu sempre disse. Só mais um rosto, só mais um na multidão. Só mais uma mentira, só mais um pecado, só mais uma vez, e assim você se perde em sua teia. Quando abrir seus olhos você estará enroscado até o pescoço sem chances de sobrevivência.
E entre as máscaras terá uma sem aplaudir, terá uma que não vai estar sorrindo. Eu também terei vestido uma máscara para você, meu amor. Vestirei a máscara das minhas cicatrizes, vestirei meu amor, todo e verdadeiro.
Serei o único rosto a não sorrir. Me reconhecera facilmente, serei a única máscara transparente a assistir seu flagelo.
Não saberá mais onde estão seus amigos, onde estão teus inimigos, estarão todos mascarados. Eu serei a única a te amar fielmente. Olhe bem para mim quando cair por terra, olhe bem minhas lágrimas quando você perder seu jogo.
Olhe bem o rosto que nuca te negou, o rosto que só quis te amar. O rosto que você rejeitou por diversas vezes, o rosto no qual você cuspiu. O mesmo a assistir sua dor. Mas será tarde demais para desculpas. Rejeitou-me em tua vida, e eu te rejeito em tua morte.
Amanda Souza
(Tenho recebido muitos comentários perguntando se realmente sou eu quem escreve todos os poemas e textos o site. Sim sou eu, eu não pego poemas de ninguém, como já disse em outro post mais antigo, escrevo desde minha infância, desde que aprendi a escrever. Muito obrigado a todos pelo carinho que tem tido comigo e com a minha poesia. Beijinhos até mais".")

segunda-feira, janeiro 25, 2010

Angelical

A pior coisa em ser um anjo, é ter que assistir sua dor calado. A pior coisa em ser imaculado, é desejar-te sem poder. A pior coisa em ser alado, e não poder voar direto para seu coração. A pior coisa em te amar, é jamais poder te tocar.
Minha vida se resume a assistir seus pecados em silêncio, sorrir com suas vitórias sem ser visto, velar teu sono e ver-te sorrir enquanto está tão longe.
Minha existência é para ser teu guia, chorar sobre seus cabelos sem que nenhuma lágrima consiga molhá-los, gritar quando você erra sem que o som da minha voz alcancem seus ouvidos.
Sentir o amargo gosto da negligência em meus lábios quando sei que você vai fazer algo errado e eu não posso me comunicar e dizer para que você parasse.
Ser um anjo de nada me serve, se preciso tanto tocar -te, se preciso tanto sentir seu corpo envolto em meus braços, e não posso te-lo. Para que me servem meus lábios se não posso uni-los aos teus? De que me servem meu coração se não posso entregá-lo a você? De que servem minhas lágrimas, se não pode vê-las?
De que me serve a vida se não estás nela por inteiro?
Anjos devem amar as pessoas. Mas o amor que sinto é proibido e restrito. Não posso amar o mundo todo se você não estiver nele.
Amar, eis ai o meu dilema! Amar-te é meu maior pecado.
Amanda Souza
(Se te amar é um pecado, eu serei apedrejada por te amar tanto?)

quarta-feira, janeiro 20, 2010

Teus Sentidos

Quando as tempestades e os relâmpagos ameaçarem te assustar, eu serei o sola quebrar as nuvens cinza de teu céu, serei o arco-íris a ilustrar teu céu com cores e felicidade.
Quando os trovões quiserem ensurdecer-te, eu os calarei, trarei pássaros para suavizarem o incomodo de teus ouvidos com ternas canções, serei a melodia a invadir tua audição, carinhosamente.
Quando sentir-se em êxtase, no auge de seu prazer, serei o arrepio em sua pele, o misto de frio e calor, que respira e transpira pela sua pele. Serei o arrepio mais intenso, passeando pelo país de seu corpo e cessando na lágrima mácula que escorre de seus olhos no fim do passeio.
Serei o perfume que empreguina na pele, que empreguina na roupa. O perfume que é brisa de verão, e que te enlouquece nas noites de insônia, abençoadas pela luz da pálida lua.
E se em uma noite de balburdia, ficar bêbado, quero ser o vinho que te enlouqueceu, quero ser o vinho a dissolver em seu paladar. O álcool mais alucinante em suas veias, o mais doce sabor em seus lábios
Onde quer que estejas eu serei teus sentidos. Assim, me tornarei inesquecível para ti, e te alucinarei uma vez mais.
Amanda Souza

(Amados leitores, estive de férias, por isso não entrei no blog e não respondi os recados. Mas estou de volta com o caderno cheinho de poemas e poesias novas, que desejo partilhar com vocês! Espero que suas férias tenham sido tão prazerosas como as minhas foram! Beijos e não esqueçam de comentar!)

domingo, janeiro 03, 2010

O vilão


Desde que sou criança eu tenho sonhado com um conto de fadas, com castelos e príncipes em um cavalo branco. Sonhei um sonho tão belo, tão puro e tão gracioso com luz e paz. Meu príncipe veio me buscar no quarto mais alto da torre mais alta. Mas ele chegou tarde demais... Eu já havia me apaixonado pelo vilão.
Fiquei tanto tempo sentada na janela te esperando, príncipe, e você não veio com sua candura me buscar. Ah, príncipe, esperei você durante longas noites de insônia, e quando os pesadelos da vida me encontravam você não ouvia meus gritos de medo e pavor.
O vilão também não espantou meus medos, mas me ajudou a espantá-los. Ele me disse que sou capaz de defender-me sozinha. E aqueles que eu não podia lutar, ele se encarregou de espantar. Ele me ensinou que não adianta esperar sentada pelo príncipe, porque ele não vem. Chorei muito nos braços do vilão, e ele me dizia cada vez mais as verdades que me neguei a ouvir. Que você não era real, que o mundo não teria pena de mim, que a vida não é um conto de fadas, que o príncipe sempre vira um chato e a pior delas: que a vida me massacraria se eu fosse mocinha para sempre.
Acho até que ele me ensinou a amá-lo de verdade, já que ele é tão oposto á você. Você é um anjo intocável, ele é humano e tocável até demais, você é puro, ele é malicioso, você é belo incondicionalmente, ele é belo, envolvente, atraente...
Você não me ensinaria em um ano a metade do que aprendi com ele em três segundos. Ah príncipe, nem sei como um dia te amei, já que o vilão é tão mais carinhoso que você. Não me leve a mal, mas não podia definhar naquele tédio de quarto mais alto daquela chata da torre mais alta, quando o vilão podia me dar o mundo, cheio de surpresas e fantasias incríveis, que você nunca poderia imaginar.
Se eu vou ser feliz para sempre? Ah, eu não sei. Mas sei que estou sendo feliz agora, e é este agora que me vale.
Príncipe, você é um sonho, e o vilão se tornou realidade.
Amanda Souza