quinta-feira, dezembro 31, 2009

Minutos para meia noite


Mais uma taça de champanhe, mais uma vez, perco minha consciência. Em meio a risos, festejos e graças, minhas lágrimas molham o chão solene. O vento gelado acaricia-me na noite, e trás seu perfume no ar. Novamente dopada por seu cheiro tão peculiar, tão particular. As minhas lágrimas são abafadas junto ao meu sentimento, calam-se.
A dor está ali, onipotente. Enquanto a noite cai, minha única companhia é minha dor. Está maldição que não posso afastar!
Queria forças para continuar a acreditar nos anjos, mas quanto mais eu acredito, mas eles se afastam de mim. Quando estou ali próxima deles, pronta para tocá-los, eles somem entre meus dedos, como fumaça, e isso é frustrante. Minha fé... Ah, minha fé! Quanto mais tento mantê-la intacta, mais meus demônios interiores a afasta de mim. Meus medos querem me dominar. Meus anjos me testar. Se isto é um teste de confiança, o que mais desejam de mim? Que outras provações terei que passar?
Vozes que não quero ouvir, medos que não irão me dominar, demônios que não posso afastar, sentimentos com os quais não posso lutar! Não sozinha...
Minhas forças se esvaem, enquanto a meia noite se aproxima. A dor me toma em seus braços, a dor acaricia-me.
Creio que ela é o anjo que pedi a Deus. Está então é tua resposta? Não lutarei sozinha, lutarei com minha dor, que é a única que está comigo quando ninguém mais me vê.
Meia noite vem, e com ela um novo dia. Meia noite cai, e com ela, todos os meus medos se vão. Os anjos vieram me resgatar. Meia noite, levai contigo meus demônios interiores, aqueles que conheces bem, pois por varias vezes, em tua hora eles me atormentaram. Leva-me também contigo, para que eu renasça em teu esplendor, e só desperte em um novo amanhecer. Que eu não conheça mais a dor, que a lucidez torne a este corpo apático.
Que eu renasça com o amanhecer de um novo dia, que o sol não seja mais ofensivo aos meus olhos, e que meu coração seja perdoado pelo anjo da dor, que segurou a minha mão fervorosamente nesta noite de insônia.
Vem, meia-noite, vem!
Amanda Souza

quarta-feira, dezembro 23, 2009

Contradição

Você é como um dia de verão em pleno inverno do qual não posso desfrutar, pois sei que se colocar os pés para fora, o céu azul torna-se cinza e a chuva vai tornar a cair... Como sempre caiu quando era tua.
Você é como o furto proibido, que mexe com meu libido, me enche de desejo, e por fora aparenta ter o mais doce sabor, mas um fruto que não posso desfrutar, pois seu real sabor é amargo, e desce em minha garganta como pregos pontiagudos que me ferem... Como sempre feriu quando era tua.
Você é a prova viva que segundas chances valem a pena... E a terceira, e a quarta, e a quinta! Mas só pelo primeiro mês, que é o tempo que as chances costumam valer, até que expire o prazo... Como sempre expirou...
Você é uma contradição perigosa, uma recaída eterna, um longo e obediente sofrimento, se estás perto, se estás longe, aonde quer que estejas, se do mesmo ar eu respirar, eu já estou de novo entregue á ti e tuas mil faces.
Sabendo que no dia seguinte sua máscara cai, e toda a dor volta, com a mesma veemência e impetuosidade dos velhos tempos.
Fique longe de mim, ó anjo contraditório! Afastai de mim os desejos que me assombram, a tua face de meus sonhos bons, tirai de minha visão estes olhos aparentemente imaculados, de meu olfato este perfume misturado com suor masculino! Carregai para longe os desejos que me afligem, pois se for para ter dor novamente contigo, prefiro tê-la sozinha, distante no silêncio de minhas lágrimas por ti nunca ouvidas, como sempre ignoradas, pois assim, espero que o céu volte seus olhos piedosos para esta proscrita, que roga pela libertação de um amor suicida.
Vá para longe daqui, com tuas mil faces, e deixa minha dor arder, até que cesse.


Amanda Souza
(É incrível como ex-namorados nos balançam, mesmo quando sabemos que eles não valerão á pena...
Mesmo assim, no coração não se manda, mas sim nas atitudes, e a minha é esta: prefiro a distância que ser escrava de novo. Uma hora passa... como sempre passou...)

quarta-feira, dezembro 16, 2009

Indestrutível pureza


Ser forte é seu propósito. Para amar não foi programado. A dor é o único sentimento que conhece.  Ele, pela felicidade foi desprezado.
Ele nada mais é além de um objeto. O desejo de todas as mulheres insanas, que buscam nas noites a aventura da liberdade. O repulso de todos os homens invejosos.
A perfeição é uma palavra que não lhe fazia juz, a beleza imortal era um mero adjetivo que jamais qualificaria as linhas de sua face, ou as curvas de seu corpo robusto.
A pureza era algo que nunca o tocou, pois as sombras do desejo e da luxúria já haviam consumido todo o seu ser.
O que ele mais almejou em sua ilustre existência foi saber o que era o amor. Mas não aquele que ele dava as mulheres impuras das ruas, mas o amor de fato, aquele que muda um ser humano, aquele que nos eleva e que é de fato real.
Ele nunca o teve e nunca o teria, pois o amor é em demasio puro, e a pureza jamais o alcançaria, pois ele fugiria dela como as trevas fogem da luz.
Ele nunca saberia o que é amar, ou ser amado. Sua força, perante ao amor nada era, e ele nunca seria adepto a amar. Até a conhecer.
Sim a pureza em formas femininas lhe foi apresentada. Ela o tocou, ela o teve em seus abraços, e a falta de mácula nela o deixou confuso. Ele nunca se acostumaria com um mundo tão diferente do seu. Estar com ela era como respirar embaixo d'água, mas ele jamais compreenderia. O prazer de deitar sobre as pernas daquela virgem em uma tarde para ver o sol se pôr, sem a malícia em seus pensamentos, sem o desejo impuro em seu coração.
Mesmo que ele quisesse, ele jamais entenderia aquilo, pois o que ele mais desejou acontecera, ele havia sido tocado pela pureza ingênua, mas ela lhe causava repulsa, lhe causava medo por que seu olhar era mais forte do que todo seu desejo, e acima de tudo, por que a amava.
Mas ele não poderia jamais entender o que era amar, mesmo sentindo, porque sua vida fora cheia de máculas irreversíveis, e ele não poderia viver assim. Ele se descobriu fraco e covarde, e a abandonou a pureza que a tanto tempo buscava tocá-lo. Com ela ele deixou seu coração.
Toda sua força vinha de um cálice de absinto, pois Sóbrio ele nada seria. Sóbrio ele era fraco em demasio.
Pois toda sua força vinha de suas mentiras, vinha de seus medos escondidos, e uma força construída sobre alicerces podres, uma hora desmorona. Seus alicerces caíram por terra quando seus olhos angelicais acariciaram sua cansada pele. Quando os raios da manhã o tocou e ele sentiu se amado pelo sol.
Todos os desejos e a luxúria que lhe fora apresentada, agora nada mais eram além de futilidades. Mas ele era um ser contraditório, um ser que nasceu para as sombras.
Pelas ruas onde vaga, levando consigo suas sinas e seus carmas, ele sabe que um dia ela o tocou. E dali ele tira sua força agora. Do único amor que ele sentiu, e nunca provou. De um amor puro de fato, como todos os amores são.
Amanda Souza

sábado, dezembro 12, 2009

Pureza mácula


 Sem asas, sem forcado. És anjo ou demônio? Ah, se eu pudesse desvendar toda tua pureza envolta por teus olhos oblíquos.
E se desvendasse e descobrisse um antídoto para este pecado santo, será que me vacinaria contra eles? Ah, não, com certeza não.
E estes lábios, que guarda em seu interior o mais manso sorriso e o mais mortal veneno, que me enlouquecem de saudade quando me abstenho por um segundo. Também são lábios libidinosos, que enchem meus ouvidos, através de sua perigosa voz, com doces palavras, e minha mente de desejos promíscuos, me embaraçando nas teias do desejo.
Te amo quando és puro, te venero quando é maculoso, te quero durante os dias, te desejo durante as noite.
É assim, meu santo-pecador, como meu coração te vê. Amar-te tem sido a maior de minhas aventuras, e a mais realizadora.
És o príncipe das manhãs, e das noites és o rei. És melhor que um anjo, é tu um homem, de carne e sangue, és real e mais que somente um sonho.
Em meus devaneios, sua voz quebra minha concentração e enche-me com a tentação, mas não com mácula. Esta fica para quando meu corpo se entrelaça contigo em seus lençóis...
Amanda Souza
(Apesar de todo este toque de sensualidade, não façam mau juízo, é por que gosto de dar ênfase aos desejos e sentimentos que de proliferam em mim às vezes...)

segunda-feira, dezembro 07, 2009

Aureola noturna


Me abrace, peço em um sussurro, pois preciso de teus braços ao meu redor. Já não me importo mais com a ofensiva noite escura, e com as estrelas que ofuscam o brilho impetuoso de seus olhos. A pálida lua põem em teu semblante um brilho fusco. A lua invejosa se afasta na noite, porque só me pertence enquanto as sombras nos rodeiam. 
Quando nasce o sol, com todas seus raios deslumbrantes, quando abro os olhos, você já foi embora de meu quarto.
Ah, malditos sejam os dias, pois enquanto os dias duram, meu coração anseia pelo algor da noite. 
És o anjo noturno que me fez perder a aureola entre seus abraços, minhas asas em seu leito, mas nunca meu pudor, nunca minha pureza.
Quando seus cálidos lábios, sedentos por amor se encontram com os meus, a noite se torna menos fria do que costuma ser. 
Quando teus imaculados olhos se encontram com os meus, as estrelas se desfazem no céu como areia de deserto, pois sabem que jamais terão o mesmo brilho. Invejosas mesquinhas! Diante de tua meiguice, anjo noturno, quem elas pensam ser?
Ah, noite! Bondosa e solene noite! Caia sobre mim com todo seu esplendor, e trás em teu manto escuro o mais iluminado anjo que o paraíso ternamente abrigou em seu seio! Vem! Oh noite, vem! Com suas estrelas e com a pálida lua dos amantes e traga-me o anjo que espero. Ah, tedioso dia, vá com o pôr-do-sol e adormeça no seio da noite que se aproxima com meu amado. Vá, dia iluminado e deixe a noite pairar sobre os amantes da lua, pois somente nas noites, meu amor me devolve a aureola que perdi em seus abraços. Só sou anjo nas noites que ele se faz presente, imaculadamente em meu leito.
Espero o azul escuro da noite cair perante meus olhos, para então abrir os olhos e me deparar com seus olhos azuis como o céu.
Vem noite, vem!
Amanda Souza
(Jamais contarei porque escrevi este, jamaais!)

Méritos

Olho para você e hoje posso ver as coisas como elas são.
Você me deu um presente quando disse "acabou". Você me devolveu mais do que somente um par de alianças, você me deu a vida que havia tirado de mim há tanto tempo. É estranho sentir meu corpo cheio de vida novamente, já que estive a muito tempo morta em seus braços.
Mas agora que você se foi, eu posso finalmente respirar, encher meus pulmões com todo o oxigênio que eu consigo. Hoje posso andar sem sentir o peso das suas correntes me puxando para baixo.
Hoje meus olhos não se voltam para o chão, e sim para frente. Sinto nos lábios uma sede de liberdade que me consome por completo, sinto nos pés um desejo de correr. E corro.
Minhas lágrimas secaram e meu sorriso finalmente nasceu no seio de minha felicidade e de minha liberdade.
Agradeço o mau que você me causou, todas suas regras fúteis que eu segui à risca, todas as flores que eu te dei e os espinhos que me forçou a engolir, todas as mentiras que me disse, todo o teatro que você fazia com que eu visse, todas as lágrimas que eu derramei, todas as vezes que sofri em silêncio para te ver sorrir, cada sorriso tirei de mim para te dar, cada vez que te amando você me humilhou, cada uma das estrelas sem brilho que contei, toda a dor que você me causou e todos os mil pedaços que meu coração você dilacerou.
Por que isso me mostra que eu tive a capacidade de me refazer sozinha, e que eu não preciso de você para respirar todos os dias. Junto com a você, a cegueira de seu falso amor se foi, me fazendo enxergar novamente cada uma das cicatrizes que você me deixou, e também ver o como tenho sido forte sem você para me dizer que eu não sou tudo isso.
Sem vocçe aqui, minha vida é como o primeiro dia da primavera: florido, ensolarado e perfumado. Posso ver que eu sou muito mais do que sua vã filosofia imaginou ou pensou.
Suas amargas palavras me fizeram crescer e me tornar forte, meu coração agora não é mais uma redoma de cristal que pode se quebrar com um sopro seu.
Quero que se lembre disso para sempre: Eu te amei demais, mas você não mereceu nenhuma das minhas lágrimas, não mereceu nenhum dos meus sacrifícios, você nem sequer mereceu a minha companhia.
Você precisava me machucar porque é fraco demais para assumir os fatos de que nunca me mereceu, mas não acuso teus pecados, não acuso tuas falhas.
As glorifico, pois elas me fizeram ver que não sou eu quem não foi boa o bastante nesse jogo de amores.
Para você só restam as sombras e as lembranças, porque você sobrevive do que eu descarto. Agora que não tem mais minha vida, agora que minha vida escorregou por entre seus dedos, me diga: Como você vai sobreviver?

Amanda Souza
(Este não ficou tão bom quanto gostaria, e me atrevo a dizer que não deveria postá-lo, mas eu precisei escrever isso para me livrar de certos sentimentos que ficaram em meu coração. Agora que sei que acabou de uma vez, e que nada que ele faça pode me atingir. Farei mais poemas[melhores que este, eu juro!] e postarei em breve)

sexta-feira, dezembro 04, 2009

Prefiro...


Hoje te vejo passar, e sei que jamais te terei novamente. Pois se eu tiver que sofrer como sofri no passado, prefiro a solidão. E prefiro que o céu se cale as minhas súplicas e se cegue as minhas lágrimas, do que tè-lo sabendo que apesar de todo meu amor, jamais poderei te fazer feliz.
Nunca amarei como um dia te amei, e hoje te ver nos braços de outra me causa uma dor, como se uma espada rasgasse meu coração em mil pedaços.
Eu peço para que seja bondoso, e não me procure mais. Rasgue nossas fotos e só guarde nossas recordações. Eu sei que ainda dói lembrar que eu te amo, mas eu sei que um anjo terá piedade de mim e apagará você de minha memória. E se um dia você me ver, por favor fique longe de mim, pois você reacenderá em mim a antiga chama de um amor doloroso demais. E sim, sei que sentirei sua falta como uma criança sente falta de um cobertor nos dias de frio, mas não dá mais.
Na realidade, nós nunca teríamos dado certo, nossas vidas são duas linhas paralelas, por mais que insistamos, nunca se cruzam, você jamais aceitaria meu mundo, e eu jamais aceitaria o seu. Nós poderiamos ter feito um mundo só nosso, mas a realidade é que nem sempre amor é tudo, e você nunca me amaria o suficiente.
Prefiro a apatia, a solidão do que tê-lo novamente. As lágrimas que eu derramo hoje por você, amanhã secarão e darão espaço para que novos sorrisos ( e novas lágrimas) se formem. Eu sei que não poderei te fazer feliz, e não te farei sentir completo, mas sei que a alguém eu poderei.
Minhas lágrimas sempre secarão sozinhas, minhas feridas sempre se cicatrizam sozinhas, por que não eu me refaze sozinha?
Ao céu eu peço, se cale. Derrame sobre mim o sol com todos os seus raios deslumbrantes, pois os dias frios são para que eu me lembre das dores que me fez passar, e mesmo em meio as dores, o como me fez te amar.
Amanda Souza
(Este foi feito para um ex, que eu tentei demais fazer feliz, mas parece que eu nunca era o suficiente. Apesar de amá-lo, desejei que não o visse mais e pedi inúmeras vezes que a cada vez que meu coração o desejasse, que Deus o afastasse mais de mim, pois o amor que eu sentia não era um amor comum. Era um amor destrutivo, então, eu achei melhor a dor da separação do que a minha dor em continuar a vê-lo me machucar. Espero que vocês não passem por uma situação assim nunca, mas se passarem, acreditem, as vezes é melhor estar sozinho do que mau acompanhado, e amor que só machuca não é amor...)

quarta-feira, dezembro 02, 2009

Teus pequenos milagres

Olho dentro do escuro de seus olhos, e sei que não me olha com desejo obsceno e isso é frustrante. Não estava acostumada a ser assim imaculada. Antes, era só um anjo da noite, que andava e de bar em bar, procurando em qualquer lábio um beijo, em qualquer braço, um afago. Eu que estive acostumada com pouca luz, e muita dor, pela primeira vez, sei o que é o amor.
Quero vestir minhas cicatrizes para que todos vejam as minhas marcas. Quero que todos vejam o meu sofrimento e a vida miserável que tive antes de você aparecer e me tirar das trevas.
Sempre estive abandonada, jogada de um lado para o outro feito um cão de rua. E você, ah você, teve por mim um carinho tão puro. Cuidou de minhas feridas, e as curou com sua ternura. Você exorcizou os demônios que haviam em meu passado, você reatou a ferida aberta de meu coração.
 Você abriu a porta secreta que havia em meu coração, aquela que tranquei e prometi nunca mais abrir. Você apareceu em minha vida quebrando tabus e correntes. Em seus lábios, descobri um veneno que ao mesmo tempo que me purificou de meus pecados, também me viciou.
Agora é assim: Ou vivo com você, ou não vivo mais.
Eu quero ser sua para sempre, quero ser seu pequeno milagre. Quero sempre seus lábios nas manhãs chuvosas, e seus braços me aquecendo nas noites frias.  Quero dividir com você o restante de minha vida pacata.
Quero te amar nas manhas, quero te fazer único. Quero tê-lo para sempre. Por você eu tiro minha másca e encaro a luz do dia.
Que me apontem nas ruas, as trevas não me alcançam. Pois com você ao meu lado, que mal pode me abater?
Amanda Souza

terça-feira, dezembro 01, 2009

Minha maior fraqueza


Sempre mostrei ao mundo, uma imagem forte e imbatível. Quis provar que o amor jamais me alcançaria, e que era indistrutivel. E agora, me sinto derrotada.
Como pode com apenas um olhar forçar-me a baixar a guarda? Como pode com um sorriso fazer minhas armas cairem por terra?
Senti em seus lábios minha alma fraquejar e isso é frustrante para mim. Eu simplesmente não pude pestanejar, não pude me defender, pois não tive tempo.
Quando percebi, você já tinha domado a fera que existiu em mim, e eu não tive como negar, pois eu estava viciada no mel que brota em sua boca.
Quando quis me libertar, vi que não podia, pois eu definharia sem seus braços protetores ao meu redor. Eu não sou mais ivulnerável.
Agora eu vejo que possuo somente uma fraqueza, uma que pode me derrotar. Minha fraqueza está em seus olhos, nestes olhos obliquos e perigosos existe uma arma mortal, capaz de levar-me ao céu, ou ao inferno.
Minha maior fraqueza é você, por me fazer te querer tanto, por me fazer te amar tanto. Minha fraqueza é te amar insanamente.
Amanda Souza

A luz do seu sorriso


(Antes de começar a escreber, este poema foi também um depoimento que está no orkut da minha prima e melhor amiga Jéssika. Não podia faltar um poema para ela aqui, já que ela é minha irmã... Apreciem e comentem!)

ηãσ нá ηα∂α ησ мυη∂σ, ηєηнυм sєя нυмαησ, ηãσ нá ηα∂α, qυє мαтє α αмızα∂є qυє тєηнσ ρσя ѵocê. ηãσ нá ѵєηєησ qυє мє єηѵєηєηє cσηтяα ѵocê, ηãσ нá нσмєм qυє sєραяє ησssα αмızα∂є. Porque, ѵocê é maıs que sσмєηтє мıηнα ρяıмα, ѵocê é мıηнα irmã, є ∂αяıα мıηнα ѵı∂α ρσя υм sєgυη∂σ α мαıs ηα тυα. Por que ѵocê ηão é só мαıs υмα, ѵocê é um anjinho que Dєυs ρσıs ηα мıηнα ѵı∂α, мıηнα мєłнσя! Porque se σ мυη∂σ тє ѵıяαя αs cσsтαs є ѵocê αcнαя q ηãσ тєм ηıηgυєм ρσя ѵocê, єυ ѵσu єsтαя łα ∂σ sєυ łα∂σ, sєgυяαη∂σ ѵocê є тє αjυ∂αη∂σ є łєѵαηтαя. Eu nunca vou te abandonar, porque nada pode separar laços de sangue.